PINTURA A ÓLEO SOBRE TELA

¡TODOS OS POEMAS PUBLICADOS NESTE BLOGUE ESTÃO PROTEGIDOS PELA LEI COMO PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR, A SUA CÓPIA TOTAL OU PARCIAL NÃO AUTORIZADA É UM ACTO ILÍCITO - PASSÍVEL DE ACÇÃO - PREVISTO NA LEI!

¡ TEU NOME, MÃE !

             

















     Ainda eu não tinha luar, nem a alba do amanhecer ...
   E tinha já uma Estrela para me iluminar, proteger e amar !
                       Não bem desci do Paraíso,
         e tinha já para mim o nome que mais eu ia chamar ...
             Mãe... De Deus, recebeste o dom da criação,
            o amor como missão em acto de plena doação ...
               De Jesus, a protecção em sinal de bênção ...
                 Do amor, a sua verdadeira expressão !

                Tinhas como teu verbo primeiro amar !
    Em teu rosto resplandeciam duas estrelas no teu meigo olhar,
                      e na tua boca um eterno orar !
    Pedias há dor da febre que me tomava para teu corpo tomar ...
             E lágrimas de amor rolavam em silencioso chorar !
    Davas-me um beijo na fronte para mitigar esse sofrer meu !
    Quando do escuro tinha medo cantavas para me adormecer,
       quando caía tinha teus braços estendidos para me acolher !

          Eras a Estrela no meu repouso e a luz dos olhos meus !
                Nos teus ternos braços apaziguavas meu choro ...
           Em meu sono agitado tinha por refúgio teu terno regaço
               e ninavas-me embalando docemente meu braço !
                      Mãe ... Quero ser menina outra vez ...
                 Para aninhar em teu regaço como outrora ...
                  E não me importo se não houver aurora !

         Mãe... Que rias o meu riso, que choravas a minha dor !
             A noite escura ia fazendo-se alva sobre teu cabelo
                          nas tuas vigílias na minha dor,
                        e nas tuas inquietudes por amor !
                       Adormeceste e os olhos fechaste ...
                Teu segredo Divino na terra chegou ao fim !...
               Como uma Santa parecia que então me viste,
                    porque dormindo sorriste para mim !

                        O vento da noite gira no céu ...
                 Na distância ouvi na noite imensa e fria
                    alguém que canta canção de ninar ...
                            Parece ouvir tua voz ...
                    E minha alma procura esse lugar !
                 Quem canta !? Perguntei ao vento ...
                      este respondeu com lamento !

              Quero ver o cristal de teus olhos infinitos,
               ouvir a tua doce voz, sentir teu perfume,
           teus suaves braços, o conforto do teu regaço ...
                      E poder dar-te um abraço !
              Deixaste-me noites estreladas, afagos,
        e doces lágrimas de amor entre beijos e abraços !
               
            Mãe...  Faz-me falta teu luminoso sorriso !
                  Sem teu calor como fonte de vida
                       minha alma está perdida !...
                  Quero voltar a descer do Paraíso ...
                 Para aprender outra vez nome teu,
          o nome que desde cedo aprendi como meu ...
                              Teu nome, Mãe !



Poema de, Rogéria Gillemans. 
¡ Registado no Ministério da cultura - Inspecção Geral das Actividades Culturais, I.G.A.C. – Processo N°3089/2009 !

Photobucket